3 de abril de 2009

 

Museu do Canteiro 1


Cremos que valerá mesmo a pena visitar esta exposição de um dos maiores cultores nacionais da fotografia arqueológica e de arte, o nosso velho conhecido José Pessoa.

É no Museu do Canteiro, situado em Alcains, no próximo dia 4, amanhã, pelas 16 horas. E já agora aproveite para visitar este Museu que é de qualidade e de alguma originalidade expositiva. Apesar de todas as indefinições quanto à sua gestão, o Museu do Canteiro é o único equipamento municipal a desenvolver uma programação correcta e coerente. O resto, e como diz um grande Amigo meu, ou são fantasmas, como o do Cargaleiro, ou é uma balda cultural onde vale tudo até ferir os olhos pela péssima qualidade da oferta das artes aí expostas. Ultimamente as exposições apresentadas põem a cabeça à roda ou não se chamasse à sala municipal, a sala da nora. Resta saber quem, na gestão deste equipamento municipal, faz o papel de burro ou de burra. Mistérios culturais da minha cidade.

Etiquetas: , ,


Comments:
O seu amigo, por coincidencia tem Salvado no nome?
 
A curiosidade de certas pessoas é o máximo pelo que de mediocridade e acefalia mental e cultural revelam. A inveja, geralmente, também aflora nestas interrogações! Agora, o Sr. Joaquim também tem de dizer o nome dos seus amigos e assinar por baixo?
O que pretenderá este anónimo com a ligação do seu post a um tal Salvado. Um conselho meu caro: Não entre nem alimente esses esquemas. Fica-lhe mal. Ou interessa-lhe a calhandrice para aumentar as consultas do seu blog?
Ainda por cima, concordamos com a generalidade das apreciações que você ou o seu amigo, ironicamente, fizeram. Realmente, a placa do museu Cargaleiro só foi lá colocada alguns anos depois da sua inauguração. E o equipamento ainda é um fantasma para muita gente. E, também, ao que se pode constatar, as exposições de pintura apresentadas na Sala da Nora são, na generalidade, de qualidade estética e pictórica muito relativas.Com todo o respeito pelos respectivos autores, por arte arte devemos entender um bocadinho mais do que coisas pintadas em telas ou não? E não me estou a referir a vanguardas que já sabemos que o sr. Joaquim não gosta. E tem todo o direito em não gostar, assim como o seu amigo também tem o mesmo direito de apreciação livre. Ainda por cima aquilo é um espaço público.
Resumindo: a generalidade das "artes" expostas na sala da Nora são de sofrível qualidade, não se descortinando qualquer tipo de lógica na programação deste segmento da cultura da cidade. Hoje é mais para o "surrealista" ou "surrealismo" porque se vê um olho humano e um focinho de serpente, estilo Dali, amanhã "abstracto-cubista" porque se pintou e esborratou uma mancha na tela e se desenhou um cubo, é uma influencia de Picasso, depois "realista" porque se identificam uma maminhas na matrona retratada ou umas florinhas campestres, tendo no último plano um monte com um moinho , iluminado um por do sol reflectido no lago azul. Parece mesmo verdadeiro! Que lindo! Vale tudo a bem da arte local. Tudo excepto a Arte. Essa , anda fugida. Concordo, portanto, com a análise do Salvado. Para os poucos que vão lá contemplar as propostas pictóricas autárquicas, façam a pergunta : de quantas exposições é que se lembram?
Pergunto a esse Salvado (se for quem eu penso deve ser o Pedro) e a outros o Carlos Semedo, por exemplo, ou o pintor Frade Correia, ou o Farias da nova galeria da Rua de Santa Maria, não se querem reunir e falar sobre a arte contemporânea em Castelo Branco ? Pode ser que os grandes sábios, comissários, programadores e gestores, artisticamente analfabetos, “burros ou a burras” que animais dóceis que migraram do Ladoeiro, anónimos e anónimas das tertúlias de café ou de gabinete, habituados ao círculo vicioso da velha Nora apareçam sejam bafejados pela riqueza artística do Mestre que bajulam mas que não respeitam nem entendem, de seu nome Cargaleiro.
Tó Quim Carvalho Nunes
 
Facultados pelo Governo brasileiro +e para os senhores anónimos comentadores que se preocupam com os maigos do sr. joaquim. É só clicar no título. E para o caso de haver alguma dificuldade: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=2203









A Divina Comédia -Dante AlighieriA Comédia dos Erros -William ShakespearePoemas de Fernando Pessoa -Fernando PessoaDom Casmurro -Machado de AssisCancioneiro -Fernando PessoaRomeu e Julieta -William ShakespeareA Cartomante -Machado de AssisMensagem -Fernando PessoaA Carteira -Machado de AssisA Megera Domada -William ShakespeareA Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca -William ShakespeareSonho de Uma Noite de Verão -William ShakespeareO Eu profundo e os outros Eus. -Fernando PessoaDom Casmurro -Machado de AssisDo Livro do Desassossego -Fernando PessoaPoesias Inéditas -Fernando PessoaTudo Bem Quando Termina Bem -William ShakespeareA Carta -Pero Vaz de CaminhaA Igreja do Diabo -Machado de AssisMacbeth -William ShakespeareEste mundo da injustiça globalizada -José SaramagoA Tempestade -William ShakespeareO pastor amoroso -Fernando PessoaA Cidade e as Serras -José Maria Eça de QueirósLivro do Desassossego -Fernando PessoaA Carta de Pero Vaz de Caminha -Pero Vaz de CaminhaO Guardador de Rebanhos -Fernando PessoaO Mercador de Veneza -William ShakespeareA Esfinge sem Segredo -Oscar WildeTrabalhos de Amor Perdidos -William ShakespeareMemórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de AssisA Mão e a Luva -Machado de AssisArte Poética -AristótelesConto de Inverno -William ShakespeareOtelo, O Mouro de Veneza -William ShakespeareAntônio e Cleópatra -William ShakespeareOs Lusíadas -Luís Vaz de CamõesA Metamorfose -Franz KafkaA Cartomante -Machado de AssisRei Lear -William ShakespeareA Causa Secreta -Machado de AssisPoemas Traduzidos -Fernando PessoaMuito Barulho Por Nada -William ShakespeareJúlio César -William ShakespeareAuto da Barca do Inferno -Gil VicentePoemas de Álvaro de Campos -Fernando PessoaCancioneiro -Fernando PessoaCatálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público -FundaçãoBiblioteca NacionalA Ela -Machado de AssisO Banqueiro Anarquista -Fernando PessoaDom Casmurro -Machado de AssisA Dama das Camélias -Alexandre Dumas FilhoPoemas de Álvaro de Campos -Fernando PessoaAdão e Eva -Machado de AssisA Moreninha -Joaquim Manuel de MacedoA Chinela Turca -Machado de AssisAs Alegres Senhoras de Windsor -William ShakespearePoemas Selecionados -Florbela EspancaAs Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de MacedoIracema -José de AlencarA Mão e a Luva -Machado de AssisRicardo III -William ShakespeareO Alienista -Machado de AssisPoemas Inconjuntos -Fernando PessoaA Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio VerneA Carteira -Machado de AssisPrimeiro Fausto -Fernando PessoaSenhora -José de AlencarA Escrava Isaura -Bernardo GuimarãesMemórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de AssisA Mensageira das Violetas -Florbela EspancaSonetos -Luís Vaz de CamõesEu e Outras Poesias -Augusto dos AnjosFausto -Johann Wolfgang von GoetheIracema -José de AlencarPoemas de Ricardo Reis -Fernando PessoaOs Maias -José Maria Eça de QueirósO Guarani -José de AlencarA Mulher de Preto -Machado de AssisA Desobediência Civil -Henry David ThoreauA Alma Encantadora das Ruas -João do RioA Pianista -Machado de AssisPoemas em Inglês -Fernando PessoaA Igreja do Diabo -Machado de AssisA Herança -Machado de AssisA chave -Machado de AssisEu -Augusto dos AnjosAs Primaveras -Casimiro de AbreuA Desejada das Gentes -Machado de AssisPoemas de Ricardo Reis -Fernando PessoaQuincas Borba -Machado de AssisA Segunda Vida -Machado de AssisOs Sertões -Euclides da CunhaPoemas de Álvaro de Campos -Fernando PessoaO Alienista -Machado de AssisDon Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes SaavedraMedida Por Medida -William ShakespeareOs Dois Cavalheiros de Verona -William ShakespeareA Alma do Lázaro -José de AlencarA Vida Eterna -Machado de AssisA Causa Secreta -Machado de Assis14 de Julho na Roça -Raul PompéiaDivina Comedia -Dante AlighieriO Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de QueirósCoriolano -William ShakespeareAstúcias de Marido -Machado de AssisSenhora -José de AlencarAuto da Barca do Inferno -Gil VicenteNoite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de AzevedoMemórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de AssisA "Não-me-toques"! -Artur AzevedoOs Maias -José Maria Eça de QueirósObras Seletas -Rui BarbosaA Mão e a Luva -Machado de AssisAmor de Perdição -Camilo Castelo BrancoAurora sem Dia -Machado de AssisÉdipo-Rei -SófoclesO Abolicionismo -Joaquim NabucoPai Contra Mãe -Machado de AssisO Cortiço -Aluísio de AzevedoTito Andrônico -William ShakespeareAdão e Eva -Machado de AssisOs Sertões -Euclides da CunhaEsaú e Jacó -Machado de AssisDon Quixote -Miguel de CervantesCamões -Joaquim NabucoAntes que Cases -Machado de AssisA melhor das noivas -Machado de AssisLivro de Mágoas -Florbela EspancaO Cortiço -Aluísio de AzevedoA Relíquia -José Maria Eça de QueirósHelena -Machado de AssisContos -José Maria Eça de QueirósA Sereníssima República -Machado de AssisIliada -HomeroAmor de Perdição -Camilo Castelo BrancoA Brasileira de Prazins -Camilo Castelo BrancoOs Lusíadas -Luís Vaz de CamõesSonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du BocageFicções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco.-Fernando PessoaAnedota Pecuniária -Machado de AssisA Carne -Júlio RibeiroO Primo Basílio -José Maria Eça de QueirósDon Quijote -Miguel de CervantesA Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio VerneA Semana -Machado de AssisA viúva Sobral -Machado de AssisA Princesa de Babilônia -VoltaireO Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro AlvesCatálogo de Publicações da Biblioteca Nacional -Fundação Biblioteca NacionalPapéis Avulsos -Machado de AssisEterna Mágoa -Augusto dos AnjosCartas D'Amor -José Maria Eça de QueirósO Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de QueirósAnedota do Cabriolet -Machado de AssisCanção do Exílio -Antônio Gonçalves DiasA Desejada das Gentes -Machado de AssisA Dama das Camélias -Alexandre Dumas FilhoDon Quixote. Vol. 2 -Miguel de Cervantes SaavedraAlmas Agradecidas -Machado de AssisCartas D'Amor - O Efêmero Feminino -José Maria Eça de QueirósContos Fluminenses -Machado de AssisOdisséia -HomeroQuincas Borba -Machado de AssisA Mulher de Preto -Machado de AssisBalas de Estalo -Machado de AssisA Senhora do Galvão -Machado de AssisO Primo Basílio -José Maria Eça de QueirósA Inglezinha Barcelos -Machado de AssisCapítulos de História Colonial (1500-1800) -João Capistrano de AbreuCHARNECA EM FLOR -Florbela EspancaCinco Minutos -José de AlencarMemórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de AlmeidaLucíola -José de AlencarA Parasita Azul -Machado de AssisA Viuvinha -José de AlencarUtopia -Thomas Morus
E viva a Utopia!
 
Caro Tó Quim,
uma coisa que nunca tive em conta foram as visitas ao meu blog. Sempre fui , ou tentei ser recto, tendo por isso saído altamente lesado pela intolerância epelo ressabiamente de muitos sábios, estratégicamente colocados. Quanto aos meus Amigos, são algo sagrado para mim, depois da minha família vêm eles, e entre eles há claro alguns muito especiais. Mas isso apenas me diz somente a mim. Abraço
 
Já vai longe o tempo em que podíamos assistir a boas exposições de pintura na cidade de Castelo Branco. Estou a falar das que durante alguns anos fui visitando no Museu Francisco Tavares Proença Júnior. Muitos pintores por aqui passaram, alguns já de nome, outros que foram construindo a sua carreira com o tempo. Estava na Direcção do Museu o nosso bom amigo e Mestre Dr. António Salvado. Figura impar da nossa cultura a quem Castelo Branco muito deve. Filho desta cidade, nasceu a 20 de Fevereiro de 1936, em plena Zona Histórica, na rua d’Ega. Mas hoje fico por aqui, quem sabe um dia faço um post sobre este nosso bom amigo que tem por apelido Salvado.
«Por tanto olhar o que jamais eu vi,
por tanto ver o que jamais olhei»… AFS
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?