28 de abril de 2008

 

Os resultados do 118 - II



Caro leitor, saudações.

Folgo muito em que tenha consultado a nossa página e lhe tenha despertado interesse a minha notícia.

Como deve compreender, é de todo impossível acompanhar um congresso destes, ao longo de dois dias. E como fazemos habitualmente com outros congressos, seleccionamos um tema e é esse que acompanhamos.

Como também deve ter reparado, uma vez que suponho que tenha acompanhado a iniciativa de fio a pavio, a sessão de encerramento, onde se suponha que fossem apresentadas algumas conclusões, acabou por não se realizar.

Quanto à selecção do tema é sempre subjectiva a sua escolha. Neste caso, o que preponderou foi o facto de os resultados das escavações do castelo, ao fim de 30 anos, nunca terem sido apresentadas ao público. Foram-no desta vez. E é disso que damos nota. Se para o caro leitor isso não passa de uma imbecilidade, isso já é uma mera opinião.

Gratos pela atenção dispensada

Cristina Mota Saraiva

Da Srª. Jornalista do periódico albicastrense RECONQUISTA, Cristina Mota Saraiva acabamos de receber este comentário. Concordamos em parte com o exposto. Realmente é impossível jornalisticamente falando acompanhar os trabalhos de um congresso (nem os dos partidos) durante dois longos dias. Ainda por cima quando os organizadores resolveram não apresentar quaisquer conclusões e puseram-se a assinar um protocolo entre o Instituto Politécnico de Tomar e o Museu de Castelo Branco. Tomar? Perguntarão? Sim. As dias instituições vão, então, cooperar. Mas, atenção, há uma certeza na História da nossa arqueologia: O arqueólogo Tavares Proença esteve em Leiria, em Porto de Mós, no Minho etc, etc. Agora em Tomar não! Já não é mau. Por outro lado a temática da conferência de encerramento também não interessou lá muito. Ainda por cima não estava lá ninguém da Câmara O Morão já tinha estado na abertura (prometeu defender sempre o Património esperemos que se estivesses a referir ao antigo e ao colectivo) e se fez representar por ninguém no encerramento. De maneira que a matéria jornalística ficou resumida a pouco. Vai daí e por se conhecer o Dr. João Ribeiro, ‘inventa-se ‘ que os resultados das tão evocadas e célebres escavações dos oitenta no Castelo de Castelo Branco nunca tinham sido apresentadas ao público. Quem enganou quem é a pergunta? Pois a verdade é que já tinham sido apresentadas sim, e em mais do que uma ocasião. Oralmente e por …escrito. (Com fotos a cores de cerâmicas islâmicas e tudo!) Há até uma relativamente recente edição de luxo da Câmara Municipal de Castelo Branco onde o Dr. João Ribeiro conjuntamente com outro investigador e a propósito do Jardim do Paço, apresentam os resultados das escavações castelãs. Vale a pena ler o texto para dar constância em que «estórias« é que assenta o saber de certos «estoriadores». A esta hora não sabemos bem porquê mas as nossas cabeças curvam-se perante a memória do Padre Anacleto Martins que sabia muito sobre o Castelo da nossa cidade e nunca fez …escavações nem sabia de cerâmicas, alfinetes, moedas etc, etc e não sofria da síndroma do quadrado 118.

Etiquetas:


Comments:
Baptista.

Ou muito me engano ou parece-me, (pelas tuas palavras) que o congresso foi um fiasco!!!
Não deveriam os responsáveis dar a conhecer aos albicastrenses a matéria lá discutida, assim como os resultados conseguídos.
Ou será que os temas lá discutidos são segredos arqueólogos destinados aos Indiana Jones presentes.
Um abraço
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?