13 de junho de 2007

 

O Expresso da Lusitânia: Homo sapiens neanderthalensis?

A passada revista Actual do tão culturalmente correcto e bem informado jornal Expresso dedica uma reportagem de fundo ao sempre, cientificamente, delicado e tão mitificado assunto das nossas raízes lusitânicas. O assunto não é novo. Tem alimentado rios e rios de tinta desde o século XIX até hoje. Aqui mesmo neste blog já o referimos com uma série de posts sobre a figura de Viriato, que na reportagem do Expresso é classificado como: “O Primeiro Guerreiro”. Antes dele não houve guerreiros…Ora o que, como beirões, mais nos chamou a atenção foi o facto de ter sido a partir do novo Museu Arqueológico do Fundão através de uma entrevista ao Dr. João Mendes Rosa, director deste museu, que o senhor jornalista Mário Robalo resolveu construir a sua peça. O assunto é complementado por uma entrevista de fundo ao Prof. Jorge de Alarcão e por uma análise ao badalado livro do Prof. Pastor Muñoz Viriato. Ficámos contentes pela lembrança jornalística. Afinal não é todos os dias que um jornal da capital, logo o Expresso, se interessa pelos museus da província sejam os de arqueologia ou os de outra coisa qualquer. Mas há que ter algum cuidado nestas coisas da comunicação. E não me parece que tenha havido muito. Escreve Mário Robalo que «o Museu do Fundão recupera a identidade dos lusitanos e revela-nos o seu território, reacendendo o debate à volta da mitologia deste povo», posição que é corroborada pelo director quando este diz que no Fundão existe «porventura das melhores colecções da Península Ibérica sobre a Lusitânia». Ainda que não goste muito de classificações de melhores ou de piores, não duvido que assim seja. Qual exposição de ‘Ulisses a Viriato’ que esteve patente ao público há alguns anos no museu Nacional de Arqueologia, qual quê. Isso, realmente, já não existe. Mas quanto a essa de o museu nos contar «a história da Lusitânia, desde o Paleolítico até à romanização» é que não podemos deixar passar. Desde o Paleolítico!? Mas face a isto entendi a razão da escolha da imagem da reportagem A NAÇÃO DOS LUSITANOS para a capa da revista que reproduz uma fotografia de uma das salas do Museu do Fundão. É uma daquelas recriações clássicas e banais associadas à Pré-História: um homem sozinho, musculoso e cabeludo a talhar um artefacto. As partes pudentes estão cobertas pela tradicional pele. A imagem da capa é completada pela presença na composição de um conjunto de artefactos líticos. Acheulenses ou mais tardios? Para o caso não interessa. Também entre, pelo menos, 29.000 anos a. C ou 194.a C é mais milénio menos milénio. Não sabia é que já se tinha assumido e musealisado segundo o Expresso, o “Viriato” Neandertal?

Etiquetas: ,


Comments:
A reportagem é uma pessegada pegada.
 
Para além desta metódica confusão espacio-temporal, gostei da entrevista do grande mestre Professor Jorge de Alarcão.

um abraço
 
Pois e caro amigo, mas como sabe os mitos que se criam sao de dificil ou impossivel dismistificacao!

Um abraco.
 
Confesso que não li o trabalho no Expresso. Mas a crer no que li aqui, concluo que os senhores jornalistas (alguns) da capital da nação continuam "bimbos", "saloios", "provincianos". Que Qvangeo lhes valha.
 
Caros amigos,

Em nome da ACEL-Trebopala, eu gostaria de incentivar todos os irmãos étnicamente Lusitanos (nascidos na Beira interior portanto), a tomarem consciência da nossa verdadeira identidade étnico-cultural e a organizarem-se cívica-socialmente em prol da criação da região (autónoma) da Lusitânia (por ora) dentro da República Portuguesa. Se não formos nós a lutar pelas nossas Terras Lusas, a combater a desertificação humana e a lutar pelos direitos do nosso povo, muito menos serão os mestiços portugueses (de Lisboa ou Porto, pouco interessa) a fazê-lo.
Sejamos livres!
 
Na continuação do anterior. Aqui está uma cópia enviada ao semanário "Expresso" em nome da Associação pela Cultura Étnica Lusitana-Trebopala, e até hoje não publicada.

Carta dirigida ao jornalismo Mário Robalo, a propósito do seu trabalho e entrevista publicados na Revista "Expresso actual", nº 1806, de 9-6-2007, sob o título "A nação dos Lusitanos".

Eu sou Endobelis Ampilua (nome de baptismo pagão Lusitano) e sou presidente da Associação pela Cultura Étnica Lusitana-Trebopala, a associação mais importante membro da Confederação da União Lusitana) e gostaria de expressar (corrigindo...) o seguinte a respeito desse mesmo trabalho porque muitas foram as incorrecções e mentiras divulgadas.

Primeiramente, é lamentavel que os portugueses, ou as elites políticas, sociais, culturais e económicas portuguesas, assim como os seus serventários do poder, como é o caso dos jornalistas, continuem a insistir na falácia da extinção Lusitanos. E só para sermos muito breves, porque com o vosso jornal não adianta muito dizer a verdade, porque tal como os outros jornais portugueses, vocês praticam a auto-censura do politicamente correcto.

1º: Primeiro ponto. Os Lusitanos não se extinguiram. Os Lusitanos ainda vivem (e muitos estão bem de saúde felizmente) nos seus solares na Lusitânia (ou Beira interior, como preferem os portugueses).
2º: Segundo ponto. É mentira nem faz sentido que alguma vez tenha existo uma imigração massiva de colonos "romanos" depois da invasão e conquista da Lusitânia por Roma. Antes que tudo, porque os romanos nunca existiram como povo racial ou étnico, eram apenas um povo mestiço e romanos só politicamente (assim como hoje são os norte-americanos) de diversas origens culturais e raciais, falavam uma língua crioulizada itálica de influência sabina, umbria, falisca e sobretudo osca, embora empregassem alguns vocábulos gregos e etruscos. Com excepção daqueles que trabalhavam para a administração do Estado ou do Império Romano (leia-se, cobradores de impostos) cujos funcionários eram sim umas centenas de "romanos" ou mercenários ao seu serviço, o resto da população era maioritariamente nativa Lusitana, Calaica, Cónia, Celta ou outra. Tanto na época romana como nas outras posteriores, cujos povos invasores foram completamente assimilados.
3º: Terceiro ponto. Os portugueses não são Lusitanos. Nem descendem destes, quanto muito alguns deles poderão ter sangue Luso. Porque simplesmente os Lusitanos ainda existem nas suas terras da Beira interior. Excluindo as cidades e vilas sedes de concelho (da Beira interior, repito) onde existem populações maioritariamente mestiças de sangue Lusitano (muito poucos serão mestiços portugueses) e onde os Lusitanos puros são uma minoria, contudo, aldeias e povoações isoladas e montanhosas aqui da Beira interior (a Lusitânia) ainda há que têm uma população 100% Lusitana pura! É verdade que os Lusitanos são "portugueses" (porque somos obrigados a ter a cidadania portuguesa), porque continuamos a ser étnica-racialmente Lusitanos e politicamente "portugueses". Mas também é verdade, que os portugueses (racialmente mestiços ou descendentes de invasores estrangeiros) não são étnicamente Lusitanos. Excepto, na maioria dos casos , aqueles que nasceram na região interior das Beiras. Agora já sabem porque é que as classes dirigentes desta terra nunca gostaram deste país nem do seu povo. As elites politicas e culturais portuguesas sempre maltrataram o povo Lusitano. Fazendo, por exemplo, uma comparação, com outros países, deríamos que os, os Bascos são espanhóis (étnicamente vascos e civico-politicamente espanhóis), mas que os espanhóis não são bascos (excepto, claro a maioria daqueles que nasceram no País Basco). Em relação aos Franceses e corsos, ou aos russos e chechenos, ou ainda a muitos outros como os turcos e curdos, também poderíamos dizer o mesmo. Bem, adiante.
4º: Quarto ponto. Não é verdade que o Professor Jorge Alarcão (ou outro qualquer historiador/ arqueólogo português ou estrangeiro) tenha sido o autor da primeira carta geográfica do território Lusitano. Os primeiros fomos nós, os membros fundadores da ACEL-Trebopala, bastaria vocês jornalistas irem ao nosso "site" (http://aceltrebopala.home.sapo.pt) que já existe há mais de um ano disponível aos mais interessados em saber da verdadeira realidade Lusitana, de hoje e de sempre.

Haja coragem em dizer a verdade, e asumirmos aquilo que somos.
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?