25 de outubro de 2006

 

Patrimónios flutuantes: A irrequietude das pedras

O texto que se segue não é da minha autoria, pertence a um Amigo meu, que acedeu a que eu o divulgasse neste espaço, ao mesmo tempo que sai no semanário albicastrese Gazeta do Interior. A ler e meditar...


O transporte de epígrafes da zona onde foram encontradas para outras regiões do País foi prática assumida desde os finais do século XIX até à primeira metade do século XX. Suportes de chantagens políticas, símbolos de afirmação de poderes; agentes de promoção de redes de influências, objectos vendáveis em lucrativos negócios; elementos decorativos de jardins afirmativos do ‘status’ da nobreza oitocentista, marcador etnogenético de ideologias, ponte para sonhadas aproximações aos areópagos culturais de então - para isto e muito mais serviram os monumentos epigráficos da Beira. Estas ‘estranhas’ patrimonializações imbricadas à epigrafia lusitano-romana beiroa e os vários discursos científicos e literários produzidos constituem um capítulo peculiar da nossa História Cultural merecedor de aprofundado olhar. “Não os fui expoliar; mas as lápides que lá colhi, valorizam-se mais por virem para um museu nacional“ justificava-se Félix Alves Pereira que, “em proveito do Museu Ethnologico Português”, fez transportar para Lisboa, entre 1904 e 1910, dezenas de monumentos.“Tirar os objectos do local de origem e mandá-los para outro museu é roubar á própria região elementos de estudo, que há toda a vantagem em fazer in loco”, escreveria anos depois Paiva Pessoa, segundo director do Museu de Castelo Branco. De autoria de Ana Paula Ferreira foi, em 2004, editada pelo Instituto Português de Arqueologia, a obra Epigrafia Funerária Romana da Beira Interior: Inovação ou Continuidade?, que reproduz as conclusões alcançados no trabalho que apresentou à Universidade de Coimbra no âmbito do mestrado em Arqueologia Regional. Trata-se de uma magnífica dissertação que nos proporciona uma autêntica e aliciante aproximação aos diversos sentimentos e atitudes perante a morte gravados no suporte geológico pela sociedade que, há dois mil anos, viveu na Beira interior. Geografia onde pulsou a civitas Igaeditanorum, cuja capital foi Igaedis, a primeira afirmação verdadeiramente urbana da História da região onde enraízam as origens da actual aldeia de Idanha-a-Velha. Pela sua relação com Castelo Branco chamou-nos a atenção a epígrafe n.º 236 do catálogo: CAVDICVS . AMMINI . F / SIBI . ET . VXSORI. / CASINAE . CATUTENI, isto é: “ Caudico, filho de Amino, mandou fazer para si e para a sua esposa, Casina, filha de Catueno.” Segundo Tavares Proença Júnior, fundador do Museu de Castelo Branco, esta inscrição encontrava-se em 1907 “metida como material numa ombreira de portado rústico” nos arredores da cidade. Através das suas notas de investigação sabemos que Tavares Proença a copiou e efectuou um molde de gesso da epígrafe em Abril de 1907 e que só a 14 de Novembro de 1909 daria entrada no Museu.. No catálogo da exposição “minimalista” (assim caracterizada pelos seus organizadores) arqueologia: colecções de francisco tavares proença júnior (não entendemos porquê a ausência na mostra da arqueologia medieval e, principalmente, da epigrafia portuguesa, campos em que também Tavares Proença foi pioneiro regional), o Professor Dr. Amílcar Guerra, responsável pela enquadramento do núcleo epigráfico reunido pelo fundador , lamentou: “Uma outra que atesta o raro antropónimo Caudicus, proveniente dos arredores de Castelo Branco, encontra-se actualmente perdida.”. Perda que havia sido já apontada, em 1979, por José Manuel Garcia no seu ensaio Epigrafia e romanização de Castelo Branco: “Esta inscrição foi dada, por engano de D. Fernando de Almeida que a não viu, como sendo de Idanha-a-Velha, o que originou várias incorrecções nas publicações posteriores”. Efectivamente, a inscrição de Caudicus corresponde ao n.º. 56 do Corpus Inscriptionum Igaeditanorum da obra Egitânia. História e Arqueologia (1956) de Fernando de Almeida. Este autor apresentou, contudo, um alinhamento distinto do da primeva fixação do texto. A pontuação triangular, indicada por Tavares Proença, não foi respeitada, informando Fernando de Almeida quanto ao seu paradeiro não saber onde a mesma, então, se encontrava. Anos mais tarde, em 1985, na recensão saída na revista Conimbriga ao trabalho de José Manuel Garcia Epigrafia Lusitano-Romana do Museu T.P.J.( 1984), o Professor Dr. Vasco Mantas, ao lamentar a não inclusão no estudo de algumas inscrições dadas à data como desaparecidas do Museu albicastrense, comentou:“Teria sido necessário transcrever todas as que do Museu foram transferidas para Idanha-a-Velha, pois é na velha Egitânia que aquela ( refere-se à inscrição de Caudicus e de Casina), como estas, se encontram; assim fica resolvido o problema do paradeiro desta epígrafe”. Pois pelo lido não ficou. Carecem, então, de fundamento as afirmações expressadas por Paula Ferreira no seu trabalho relativas à inscrição de Caudicus: “Desconhece-se a sua proveniência exacta.” ou “A tipologia do monumento indicia que ela seja originária de Idanha.” Não é. É sim originário dos arredores de Castelo Branco. Mas quando e porquê é que a inscrição foi transportada para Idanha-a-Velha? Só descortinamos a hipótese da movimentação ter sido efectuada durante a direcção de D. Fernando de Almeida do Museu albicastrense, exercida entre 1963 e 1973. Já tivemos, noutra ocasião, a oportunidade de apontar as principais coordenadas da estruturação museológica desenvolvida no sudeste da Beira por Fernando de Almeida durante esse decénio. A partir da conjugação das realidades patrimoniais de Idanha-a-Velha com as do Museu de Castelo Branco, que entretanto tardava em ser reinstalado no antigo paço episcopal, revelar-se-iam algumas das temporalidades e das expressões materiais “do que tem sido a vida do povo do distrito de Castelo Branco, ao longo dos séculos, diremos antes, dos milénios(...). Chamemos-lhe povo egeditano”. E neste objectivo, a reconstrução da colecção epigráfica lusitano-romana de Idanha-a-Velha foi para D. Fernando de Almeida tarefa prioritária. Escreveu o erudito arqueólogo:“Concluídas as obras de restauro da Catedral, o Sr. Frederico Marrocos, (...) autorizou a passagem das lápides, ao todo 92, para o novo museu que resolvemos instalar no templo “rejuvenescido”. Àquele número, conseguimos juntar, (...), as lápides que tinham sido levadas para outros museus».Terá sido durante esse ‘repatriamento’ da epigrafia egeditana que a lápide albicastrense, inadvertidamente, foi levada para Idanha-a-Velha. Somos devedores a D. Fernando da idealização e da criação em Idanha-a-Velha da maior colecção epigráfica do Portugal romano. Contudo, e a bem da verdade histórica, este impressionante conjunto de fontes está longe de formar a “maior colecção epigráfica da Europa”, devaneio pseudo-identitário reproduzido à exaustão por guias turísticos de ocasião e por escribas ignorantes em páginas net de organismos oficiais. Nesta circulação de materiais epigráficos e de outra natureza há situações de ‘potlach’ geo-arqueológico que hoje não se compreendem. Do que constituiu uma atitude provisória assumiu-se um carácter definitivo. Apenas dois exemplos. A estatueta de azinho encontrada na década de sessenta em Idanha-a-Velha, que representa um personagem togado, raro exemplo peninsular de plástica romana concebida neste tipo de matéria, continua nas reservas da instituição albicastrense. “Para mais segurança, depositámo-la no Museu de Castelo Branco e lá ficará até ser construído o Museu Monográfico de Idanha-a-Velha” anunciava, em 1973, Fernando de Almeida. Porquê? E o segundo, a ara dedicada aos Lares Cairiensibus encontrada na Nave Aldeã, propriedade rural da Zebreira (Idanha-a-Nova), com outra anepígrafa, em 1956. Em 1972, a peça veio do Museu Lapidar Igeditano de Idanha-a-Velha para as salas do Museu Tavares Proença reinstalado no antigo paço episcopal da cidade. Porquê e para quê?Agora que a museografia egeditana é cada vez mais virtual, julgo ser importante para a História da cidade que o monumento de Candicus e de Casina seja devolvido a Castelo Branco, pelas suas especificidades onomásticas e históricas reveladoras do estrato romano do sítio onde a cidade cresceu. Depois da irrequietude da pedra, e parafraseamos Vítor Oliveira Jorge, continuemos a sentir o respirar histórico, em toda a materialidade, deste ‘tosco bloco’ de granito gravado com milenar cultura.

Pedro Miguel Salvado


Comments:
Texto certeiro. As peças do canto inferior esquerdo da fotografia são colunas romanas epigrafadas ? Cupae?
 
Texto excelente e que desta forma se divulga por toda a parte. Toda a colecção epigráfica recolhida em Mangualde até 1985 está em Viseu, algures na Assembleia Distrital de Viseu. Só mesmo a detectada após essa data, por mim e por outro colega, aquando do Levantamento arqueológico do Concelho, e´que se mantém numa associação da cidade e dois exemplares estão nas aldeias onde as descobrimos.
 
Amigo Joaquim

Aquilo que eu percebo de história é o trivial da cultura geral, mas pelo que li aqui dá-me ideia que o nosso património histórico anda um pouco ao sabor das vontades e dos apetites das politiquices.
Faz-me lembrar o tempo da reservas de caça nacionais em que as autoridades venatórias também não queriam delapidar aquelas onde a caça abundava. Apanhavam-se 400 ou 500 lebres na herdade da Zebreira e noutras reservas, para repovoar algumas onde iam caçar os ilustres politicos e veja-se ao ponto a que chegou a caça em Portugal.
Isto para dizer que também concordo que o património deve pemanecer, caso haja condições para tal, no local do achado.

PS: Por mera curiosidade gostaria que me dissesse, se puder, se Frederico Marrocos, referido no texto e Frederico Manzarra são a mesma pessoa.
Obrigado.

Cumprimentos.
 
Caro Chanesco, que eu saiba o Frederico Marrocos aludido no texto será o mesmo a que você alude. Creio que se chamava Frederico Manzarra Marrocos, era também dono da Granja de S. Pedro. Em relação ao que diserta, tenho de lhe dar toda a razão. Por vezes aparecem peças onde convem. O caso de Idanha-a-Velha é sintomático. Os investigadores quando cá chegam, até os actuais, querem vir provar a sua teoria e não fazer investigação. Por vezes faz muito bem uma pedra aparecer aqui ou ali, ou então sonegar informação. Penso que quem nos tem saído na rifa ao londo das décadas não está minimamente interessado em descobrir a verdade, apenas em provar a sua verdade. Ainda muita àgua correrá por baixo da ponte velha
 
Infelizmente o que tem ocorrido pelas suas bandas tambem tem acontecido no meu municipio, a maior parte da epigrafia e outros documentos arqueologicos descobertos ate a decada de oitenta do seculo passado encontram-se ou em Lisboa ou em Coimbra e Viseu.
E creio que nem agora que temos o CHIAFA as iremos ter volta.

Perder perde-se facil, ganhar e que ja e outra coisa distinta.

Por essas e outras e que compreendo quando certas aldeias, preferem ver perder-se obras antigas, que deixa-las ir para restauro, pois nunca sabem se depois de restauradas voltam ao lugar original.

Um abraco fornense.
 
Amigo Joaquim

Obrigado pela atenção e pelo esclarecimento. De facto era bem o que me parecia.

Bom fim de semana.
 
Tens uma clarividênia determinante..merci pelos factos!
Visita o meu site e please..deixa uma razão de ser...já gostei de ti aqui :)
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?